Benefícios à saúde e qualidade de vida

Consultor: Prof. Fábio Brito e Bucheroni (Cref: 015451-G/SP). Contato: (19) 99137.0159 fabiobucheroni@ig.com.br.

Os exercícios físicos proporcionam inúmeros benefícios vitais às pessoas, por exemplo, melhora do condicionamento físico, ou seja, aumenta-se a capacidade de “trabalhar” do sistema cardio-respiratório, a resistência muscular geral e localizada se desenvolve juntamente com a força, flexibilidade, agilidade, conseguindo com tudo isto um melhor equilíbrio corporal e coordenação motora.

Por que praticá-la?

  • Emocionalmente ocorre uma melhora, pois ao se exercitar a auto-estima progride, diminuindo lentamente as emoções negativas, melhorando a sua qualidade de vida;
  • A oxigenação tecidual é elevada, ou seja, o exercício físico melhora o fluxo sanguíneo levando mais oxigênio e nutrientes para todas as regiões do corpo;
  • O Sono melhora porque a prática de exercício físico auxilia na manutenção do peso corporal, contribuindo para que a pessoa durma melhor e tenha maior disposição vital. As pessoas muito acima do peso sofrem com a falta de disposição por não conseguir uma posição ideal e relaxante na hora de dormir;
  • Hipertensos (pessoas com pressão alta) com o auxílio da atividade física conseguem aumentar a rede de capilares em seus músculos. Assim, o sangue consegue difundir-se com maior facilidade reduzindo a pressão como um todo;
  • Durante o exercício é possível sintonizar harmonicamente sua mente e seu corpo, respeitando e conhecendo ainda mais seus limites;
  • O exercício físico fortalece o músculo e aumenta o metabolismo de cálcio fortalecendo assim os ossos;
  • Quando nos exercitamos regularmente, nossos músculos usam proporcionalmente mais gordura que glicose, e isto mantém os níveis de glicose sanguínea (glicemia) mais estáveis, diminuindo a fome;
  • A vida sexual melhora, pois o exercício físico faz com que você se sinta melhor com seu corpo, beneficiando sua performance sexual;

A atividade física é importante à todas as pessoas, independente da idade, porque proporciona bem-estar, saúde, sociabilização, gerando uma melhor e maior qualidade de vida. Obviamente, as pessoas portadoras de alguma doença como os cardiopatas, hipertensos, diabéticos, osteoporóticos etc, acabam minimizando e muitas vezes solucionando, dentro de suas condições físicas especiais, seus problemas vitais através de exercícios físicos bem orientados e elaborados.

A qualidade de vida portanto, está diretamente ligada a prática regular de atividade física.

Musculação

Nos últimos anos, a busca pela atividade física passou a ser uma necessidade para as pessoas de uma maneira geral. Sedentários, obesos, não obesos, idosos ou simplesmente aqueles que fazem exercícios físicos só aos fins de semana, buscam cada vez mais uma vida saudável e produtiva no que diz respeito a atividade física. Isso se deve ao fato de que o exercício físico torna-se a fórmula necessária para se solucionar os problemas diários, como por exemplo, o estresse, a falta de disposição e a prevenção de muitas doenças. Em relação aos indivíduos da “terceira idade”, a procura por uma modalidade ou atividade esportiva tem aumentado muito durante os últimos anos.

Fazer musculação é algo que nos lembra corpos musculosos e vigorosos, embora já exista mudança nessa visão. A musculação ou a atividade localizada com sobrecarga vem crescendo entre as pessoas acima de 60 anos, sendo inclusive recomendada por profissionais da da saúde. É certo que hoje a doença do novo milênio é a osteoporose, segundo a Fundação Nacional de Osteoporose (1998), e a atividade física, principalmente a musculação, é a melhor forma de prevenir e, em alguns casos, até de reverter quadros da doença.

A grande eficiência em estimular a massa muscular e óssea apresentada pelos exercícios localizados com carga, chamados genericamente de exercícios resistidos e geralmente realizados com pesos, chamou a atenção de pesquisadores para a possibilidade de sua utilização em promoção de saúde, particularmente no caso de idosos, em que a Osteopenia e a Sarcopenia são importantes. Esta ideia foi estimulada pela constatação de que a mobilidade articular geralmente limitada do idoso também melhorava rapidamente.

Osteopenia

Perda de mineral ósseo geralmente resultante do processo de envelhecimento que afeta tanto homens como mulheres;

Sarcopenia

Redução de massa muscular associada com a idade.

Houve no início uma resistência natural a esta proposta, pois os exercícios com peso eram anaeróbios, de alta intensidade, fazendo que com isso a pressão arterial pudesse aumentar excessivamente nesses exercícios. No entanto, estudos realizados por Santarém (1998), documentaram não apenas a eficiência, mas também a segurança dos exercícios com pesos bem orientados para idosos, pessoas debilitadas ou doentes. Pode-se averiguar que os inconvenientes dos exercícios de alta intensidade somente são válidos se forem contínuos, o que não é o caso da musculação.
Não há dúvidas de que o trabalho de musculação evidenciou benefícios positivos na densidade óssea, fazendo com que o risco da Osteoporose se reduzam consideravelmente, e também benefícios no que diz respeito a melhoria ou eliminação de doenças cardiovasculares.
A atividade física bem orientada aos idosos, tem um destaque importantíssimo e especial à execução de tarefas básicas do cotidiano, porque faz com que ocorra um fortalecimento geral da musculatura, articulações e tendões, proporcionando assim um aumento dos níveis de disposição, diminuindo o risco de quedas durante uma simples caminhada e preservando no idoso uma vida mais independente e cheia de conquistas.
Portanto, a musculação é na verdade um dos, senão o melhor, exercício físico a ser estimulados aos idosos, pois traz benefícios imediatos se comparados com outras atividades físicas, fortalecendo não só as estruturas músculo-articulares, mas também o aspecto mental e psicológico do idoso

Musculação e a obesidade

A atividade física, dentre os inúmeros benefícios que proporciona à saúde, tem como um dos objetivos, auxiliar no controle de peso proporcionando uma melhor qualidade de vida e prevenindo doenças.

Efeitos dos exercícios contra a obesidade:

  • Aumento da massa magra (músculo), proporcionando um aumento no metabolismo (reações bioquímicas do organismo) e com isso diminuindo a porcentagem de gordura corporal.
  • Aumento da secreção de hormônios anabólicos (para aumento de massa muscular).
  • Melhora da auto estima.
  • Melhora da força e resistência muscular.
  • Aumento do metabolismo celular nas horas seguintes ao exercício, gastando mais calorias mesmo em repouso.
  • Aumento do gasto calórico, que contribui para perda de peso gordo, quando combinado com exercícios aeróbicos (corrida e caminhada) e anaeróbios (musculação).

A estratégia recomendada para a redução de peso envolve uma dieta balanceada, que provoque uma restrição calórica, associada a um programa de exercícios de resistência (exemplo, musculação).

Para manter o controle do peso é necessário um compromisso contínuo com hábitos alimentares adequados e combinado com atividade física regular.

Curiosidades:

  • são registrados maiores números de obesidade entre classe sociais mais altas e em moradores de região onde há mais facilidade para obter comida;
  • hábitos alimentares saudáveis e exercícios físicos praticados desde a infância são medidas essenciais para diminuir a probabilidade de obesidade;
  • filhos de pais obesos têm 80% de chance de se tornarem obesos, seja por questões genéticas ou culturais, pela transferência de hábitos alimentares inadequados e falta de atividades físicas.

Musculação e hipertensão

A atividade física praticada regularmente faz com que a pressão arterial seja reduzida em aproximadamente 6 a 10 mmHg agindo preventivamente em pessoas com predisposição à hipertensão.

exercício físico estimula um aumento da rede de capilares sanguíneos (pequenos vasos que transportam o sangue) nos músculos, facilitando a difusão (distribuição) do sangue pelo corpo.
Isto diminui a pressão como um todo. Acrescenta-se a isso outro benefício, que é a redução da gordura corporal, com conseqüente diminuição do nível de colesterol ruim (LDL) e aumento do bom colesterol (HDL).

Indivíduos hipertensos aerobicamente aptos, isto é, aqueles que praticam caminhadas ou corridas por mais de 10 minutos contínuos, demonstram uma taxa de mortalidade 60% mais baixa que indivíduos normotensos (pressão arterial normal) sedentários.

Obesidade, vida sedentária, estresse e ingestão excessiva de álcool ou sal na alimentação podem ter um papel importante em pessoas predispostas à hipertensão arterial. O estresse tende a fazer com que a pressão aumente temporariamente, voltando aos valores normais assim que cessam os fatores de tensão. O álcool tende a causar dificuldade na circulação sanguínea, aumentando a resistência das arteriais elevando a pressão e dificultando o tratamento.

A hipertensão arterial é o principal fator de risco para problemas cardíacos e também aumenta a probabilidade de doenças renais, derrames e aneurismas. Portanto, a pratica regular de atividade física é benéfica e de grande importância para aqueles que possuem esta doença. Obviamente, a combinação de dieta, atividade física , perda de peso e terapias farmacológicas reduzem muito o risco de complicações na saúde dos hipertensos. Isto acaba por proporcionar uma melhor qualidade de vida à estas pessoas.

Musculação na fase de crescimento

A musculação quando muito bem orientada e acompanhada por um profissional da área de Educação Física pode ser um estímulo ao crescimento do organismo. A prática de musculação para adolescentes auxilia para um maior desenvolvimento na resistência, força e performance muscular, claro que dependendo do treinamento e do objetivo desejado.
Na opinião do Prof. Fábio Bucheroni, a musculação para os adolescentes é de importância para o crescimento muscular e ósseo, pois a partir de uma carga adequada que não exija muito dos tendões e ligamentos é possível iniciar um processo de adaptação muscular sem prejudica-los.

A carga ideal para se começar a musculação pode ser definida de diversas maneiras, mas cabe ao professor responsável avaliá-la e perceber através de seus conhecimentos e “feelling” se realmente esta propícia para o adolescente em questão. Se a carga estiver acima do ideal (pesada), em que o adolescente sinta dificuldade de erguê-la, é melhor prestar atenção, porque quando muito pesada pode prejudicar o crescimento do organismo, forçando suas articulações. Neste caso, se continuar com a carga pesada poderá ocorrer o fechamento precoce dos discos epifisários, interferindo no crescimento

Portanto, a musculação deve ter um acompanhamento e uma orientação constante de extrema importância quanto a resistência, tônus, fortalecimento e até mesmo de adaptação muscular para os adolescentes. Uma carga ótima é aquela que produz tensão óssea e alongamento na musculatura, auxiliando assim, o crescimento corporal.
De outra forma, esta atividade torna-se um perigo para os adolescentes praticantes, pois acarretaria danos ao desenvolvimento e crescimento do organismo.

Possíveis danos:

Hipófise: O stress físico prejudica a liberação de hormônios sexuais por essa glândula, retardando o crescimento de pelos e o desenvolvimento dos órgãos genitais;

Coração: Desequilíbrio hormonal causado por esforço ameaça o amadurecimento do músculo cardíaco;

Músculos: Cargas muitas pesadas na adolescência fazem com que os músculos percam a elasticidade, tornando-se mais curtos e comprometendo as articulações;

Tendões: Estão em processo de formação na adolescência. Uma tração exagerada da massa muscular sobre os tendões pode causar inflamações (tendinites);

Ossos: Exercícios com muita carga comprometem a estrutura dos ossos, logo o adolescente corre o risco de não crescer o quanto poderia.

Benefícios:

Com um programa adequado e supervisionado por um profissional de educação física, os benefícios são:

  • Aumento da força muscular, protegendo melhor as articulações e com isto evitando lesões;
  • Aumento da resistência muscular;
  • Melhoria da coordenação muscular;
  • Manutenção ou aumento da flexibilidade;
  • Melhor controle postural;
  • Aumento da densidade óssea;
  • Aumento do condicionamento físico;
  • Aumento das reservas de energia do corpo;
  • Melhoria da composição corporal, isto é, relação melhor distribuída entre massa muscular e massa gordurosa;
  • Melhoria da performance no esporte e em atividades recreacionais.

Musculação na gestação

A atividade física durante a gestação, é importante para se obter um condicionamento orgânico melhor e mais apropriado proporcionando melhora da qualidade de vida da gestante. É interessante ressaltar, que os exercícios físicos tem por objetivo melhorar a saúde física e mental diminuindo as intercorrências médicas. Salienta-se que não se deve objetivar o condicionamento físico exaustivo para as gestantes, pois o excesso pode ser prejudicial à ela e ao feto.
Ainda hoje muitos afirmam que é perigoso a pratica de exercícios físicos nos três primeiros meses da gestação, mas já se sabe que os exercícios não têm influencia no índice de abortamentos espontâneos.

As atividades físicas mais realizadas pelas gestantes são a caminhada, a hidroginástica, a ginástica localizada sem impacto e a musculação.
É importante neste momento, que a gestante procure uma orientação de um Profissional de Educação Física para a prescrição e planejamento do treinamento físico. O volume e a intensidade deste treinamento devem ser medidos e calculados de acordo com as capacidades físicas de cada uma delas, respeitando-se paulatinamente o aumento do volume abdominal.

Importante salientar também, que não se deve utilizar prescrições de atividade física como uma “receita de bolo”, e sim buscar a orientação e acompanhamento de um profissional da área.
Durante toda a gestação é imprescindível a pratica de atividade física e acompanhamento médico pré-natal. A gestante deve ter sempre em mente que sua saúde passa por um momento especial e mantê-la, é primordial para a manutenção do bem-estar do feto.

Benefícios para a gestante:

  • Melhora a força e resistência muscular;
  • Melhora a coordenação motora;
  • Melhora o equilíbrio corporal;
  • Melhora a auto-estima;
  • Melhora a estética corporal evitando o excesso de peso;
  • Melhora a postura por fortalecimento da musculatura e articulações, aliviando, dores músculo-articulares;
  • Melhora o sono;
  • Melhora a respiração, principalmente durante o parto.

ESTEROIDES ANABOLIZANTES: CUIDADO!

Esteróides anabolizantes são derivados sintéticos da testosterona (hormônio sexual masculino) que é responsável pelo crescimento normal do corpo e controle das funções sexuais. Infelizmente, praticantes de atividade física, principalmente de academia, estão usando os esteroides para adquirir o “corpo perfeito” sem se preocuparem com os efeitos colaterais. É preciso conhecer os riscos do uso indevido e excessivo destes “produtos”.

Os efeitos no organismo são:

Cérebro: dor de cabeça e tonturas, aumento da agressividade, alteração de humor e paranóia;

Laringe: alteração permanente das cordas vocais;

Coração: aumento do músculo cardíaco, que pode causar infarto nos jovens;

Fígado: aumento da enzima transaminase(responsável pelo metabolismo). Logo, o órgão passa a trabalhar mais, registrando casos de tumores, cirrose, icterícia (cistos de sangue que podem levar a hemorragia);

Aparelho Urinário: retenção de água, pois os rins ficam sobrecarregados e, em longo prazo, podem aparecer tumores, queimação e dor ao urinar;

Aparelho Reprodutor: atrofia dos testículos e dor no saco escrotal, ginecomastia (mama em homens), esterilidade masculina e feminina, aumento do clitóris, atrofia do útero e da mama;

Pele: acne, crescimento excessivo de pelo em mulheres, calvície precoce, estrias;

Músculos: aumento da massa muscular pelo depósito de proteínas nas fibras musculares, diminuição da gordura no corpo;

Osso: na puberdade os anabolizantes aceleram o fechamento dos discos epifisários , reduzindo o período de crescimento e resultando em uma estatura menor;

Sistema Circulatório: aumento do número de hemácias nos jovens e diminuição de glóbulos brancos, hipertensão arterial.

Portanto, os esteróides anabolizantes possuem diversos efeitos colaterais e estes variam de pessoa para pessoa. Muitos destes são fracos e reversíveis, porém o abuso pode acarretar em problemas muito sérios. Nos dois sexos: acne, às vezes depressão, impotência, aumento ou diminuição da libido sexual, insônia, câncer de fígado, náusea, vômito etc. Denunciem as pessoas fornecedoras destes “produtos” e busquem qualidade de vida e saúde através de uma boa alimentação, consultas médicas periódicas e atividade física regular.